6

Um milagre chamado Erick!

Boa noite a vocês! 
Hoje é terça-feira, o dia da semana que recebemos convidados aqui no blog, e hoje temos um convidado muito especial (hoje é um pai que narra um momento delicado de sua vida), meu novo amigo Luciano Braucks, conheci a historia dele e da linda família que ele tem através da minha amiga muito querida Imoni Braz, do blog Uma mãe indesitivel. Ela nos apresentou virtualmente e ele autorizou a publicação dessa historia que é mais um milagre contado aqui no blog.
Quero muito agradecer a vocês dois, pela confiança em mim e no blog e pela vontade de ajudar outras pessoas, algo tão raro hoje em dia! E quero convidar vocês a conhecerem e se emocionarem eu arrepiei quando li com mais essa historia de superação. 


Um milagre chamado Erick!

Clique nas imagens para melhor visualização!

Clique nas imagens para melhor visualização!

“É bom lembrar que quem está contando a história é um pai. E homem não tem muito afinidade com datas, apenas guardamos a essência dos  fatos, ainda mais que sempre estamos do lado de fora, quando os principais fatos acontecem.”

Parecia uma gestação normal, chutes na barriga e tal. Mas quando fomos fazer o pré-natal aqui no hospital do município, a médica muito experiente, velhinha… (milhares de partos), sabia que algo estava errado, mesmo acusando tudo bom na eco e demais exames.
“Mãezinha, terá que ser cesárea, esse bebê, não vai nascer normal!”. Dr Geoconda Lembrei…
Quando chegou o dia das contrações fomos ao hospital, mas a doutora estava de férias e os médicos em questão começaram a empurrar, dizendo que não estava na hora, volta pra casa, blablablablá. Todo mundo já conhece essa novela.
…se fomos pra capital. Mesma coisa… ficamos girando em volta do hospital. “Tem que caminhar mãezinha, caminhar!”
Ai vem aquela atitude, chutar a porta.” Meu Deus, ai começa a tortura!” Ninguém sabe nada, ninguém fala nada e ela lá dentro sofrendo sozinha.
Parto induzido, parto induzido, parto induzido… não deu! É claro que não iria dar, a médica já tinha falado…
Cesárea as pressas, nasceu todo roxinho e deformado por causa das correria. Só me mostraram ligeirinho na porta e saíram correndo. Meu Deus está tudo aqui gravado e vez ou outra sai pra fora em forma de lágrimas.
Já em casa, depois de alguns meses, parecia tudo normal, exame do pezinho, tudo ok. A gente estranhava que ele era muito paradinho, mas…primeiro filho e tal, pouca experiência e as pessoas talvez até notem, mas sem intenção de não magoar a gente, não falavam nada.
Foi então que ele pegou um resfriado e nós como todo pai preocupado, levamos ao postinho, mais de uma vez. A tarde fomos a última vez no postinho, a menina que aguardava pra ser atendida, antes de passar a sua vez para nós, falou:” Esse menino não está bem!”, mas lá dentro a médica falou que estava tudo bem, efeito dos remédios e tal. “Fiquem tranquilos!” Haaaã…!
De madrugada, minha mãe sem saber o que estava acontecendo, foi chamada por Deus a dirigir-se até a minha casa, que ficava nos fundos. Ao chegar lá me encontra prostado no chão, em estado de choque e a Michele (minha esposa) com ele nos braços gritando: “Ele está indo meu Deus!!!Socorro! Alguém me ajuda!”
Minha mãe entrou porta adentro e pegou ele já virando os olhinhos, roxo e sem respirar e assoprou o fôlego de vida de volta em sua boquinha e ele resurgiu, para honra e glória do senhor Jesus.
Daí foi aquela correria até o hospital. “A intenção era ir até o hospital da capital, mas não iria dar tempo, Deus disse:” Não entra nesse aqui mesmo!”.
Todo hospital parou para quando  nosso  Guerreiro chegou. Foram mais cinco paradas respiratórias dentro da emergência.  Ninguém sabe como ele sobreviveu, mas nós sabemos…
Assim que ele deu aquela estabilizada os médicos falaram :” Ele não pode ficar aqui, não temos a menor condição de sustentar ele com um problema tão grave!”. Ele teve uma broqueolite muito forte e precisava de muitos aparelhos até ficar bom.
Achando que dependia de mim buscar uma vaga em outro hospital, saí desesperado pelos melhores hospitais da cidade sem sucesso, pois quem faz tudo isso é o próprio hospital em questão. Mas o que Deus queria era falar comigo durante o percurso ou melhor, ouvir o meu clamor.
Liguei o rádio para relaxar  um pouco e no rádio estava passando uma música gospel que dizia:” Eu vim te buscar!” Eu entendi que Deus estava dizendo que estava levando meu filho.
Chorei desesperado dizendo:” Senhor, não leva meu filho,não leva, não leva!” era só o que falava. A carona, tia gringa, falava:” Te acalma Luciano, vai dar tudo certo!”
Mas mesmo entendo e clamando de maneira errada, Deus, magnífico, me entendeu e não permitiu que a vida do meu guerreiro ceifada
Deus conseguiu a vaga em outro hospital e eu saí desesperado atrás da ambulância no percurso. E até hoje, como sou motorista de ônibus, quando vejo uma com a sirene ligada,ainda me abalo.
Nosso guerreiro surpreendeu os médicos e saiu em tempo recorde da UTI, foi então que toda a luta começou, isso tudo foi café pequeno diante do que estava por vir. A luta pela vida dessa criança foi tão intensa que a sua deficiência nunca foi problema para nós…
Foi numa dessas idas ao hospital que encaminharam ele para a genética e mesmo sem saber nos dizer o que ele tinha, nos encaminharam para as fisioterapia. Bastante tempo depois, apenas nos disseram que ele não tinha o corpo caloso.
Não falaram o nome da síndrome, embora nos deram um SID para encaminhar os documentos.( Essa parte está bem resumida, foram anos.)
Mas ai começaram as infecções urinárias, algumas tratávamos em casa e outras internado no hospital. Até que descobriram que ele formava cálculos renais, por que tinha o rim grudado  no outro em forma de ferradura.
Foram cinco cirurgias para extrair as pedras até que a médica percebendo já a nossa exaustão resolveu extrair o rim mal formado.
A primeira cirurgia que eu lembro, foram nove horas, nove.  Olhando para aquele monitor sem saber o que estava acontecendo. O monitor só marca as três etapas, em preparação, em ação e em recuperação.
 Sabem o que é passar caminhando de um lado para o outro durante nove horas?
De tanto ver a nossa agonia as pessoas  acabaram se envolvendo na nossa história e  quando a Michele desabou em prantos, por exaustão, que eles viram no monitor que a cirurgia havia acabado, saíram correndo ao seu encontro: “Acabou mãezinha, acabou…!”. Ta tudo aqui guardado, como se fosse hoje.
 Depois tudo mais calmo pedi pra Michele ir para casa descansar e eu fiquei com ele entubado, a madrugada toda.
Quando desentubaram, que os sedativos pararam de agir e ele recobrou a consciência, mesmo com a garganta ferida e com a voz trêmula e rouca, me pegou com sua mão forte e me puxou o ouvido até a sua boca e disse bem baixinho:”Papai….!”. Meu Deus, meu Deus, tira isso daqui de dentro senhor…
A ultima cirurgia foi a do corte na frente. Era de alto risco, pois poderia perder o rim saudável, mas graças a Deus deu tudo certo (imagina ele ter que fazer hemodiálise)
Depois que tiraram o rim mal formado começamos a viver novamente, nunca mais de infecção, nunca mais precisou baixar, tem uma vida normal hoje.
Tem tantas histórias que eu até me perco na cronologia dos fatos. Exames doloridos para nada, cintilografias (Quem já fez sabe), choques nas pernas pra testar a motricidade. Ele se estremecia todo e olhava pra nós, como que pensando que fosse algum castigo por ter feito algo de errado e pedia socorro. Quem estava na sala de espera chorava junto, pois até os enfermeiros choravam.
E agora recentemente uma de suas cicatrizes, a menor inflamou. Usamos tudo que é tipo de pomada e nada.
O último médico nos encaminhou para um cirurgião dizendo que era algo de dentro para fora e que era só abrir a cicatriz colocar um dreno e tudo bem, não precisava nem baixar no hospital.
Quando eu vi aquele médico com uns trocentos anos vindo em direção a nós com os passos bem miudinhos, já fiquei todo arrepiado:”Meus Deus…!”.
Ele fez um pequeno corte, sem anestesia e enfiou toda ponta da tesoura cirúrgica para dentro dele (olhei tudo).
 A Michele não aguentou, saiu da sala. Eu me ataquei dos nervos, minha respiração ficou bem curtinha e ofegante, quase desmaiei.
Dava pra ver que o médico estava inseguro, os próprios enfermeiros me olhavam querendo dizer:”Tira ele daqui!” . Graças a Deus o médico desistiu, colocou um dreno e nos encaminhou para o hospital, pois havia um corpo estranho lá dentro que ele não conseguia remover.
Ainda voltamos lá  mais umas cinco vezes para fazer curativo até a remoção do dreno e nesse meio tempo ele milagrosamente expeliu um dos pontos internos que o corpo rejeitou e nós nunca mais fomos no hospital para ver, pois cicatrizou novamente e nunca mais deu problema.
Hoje o gordo está com 12 anos. A última vitória foi contra a coqueluche, bastante correria também, mas vencemos.
Como toda criança especial, é amado por todos e por onde passa faz amigos. Vimos muitas história dentro dos hospitais, muitos não tiveram a mesma sorte que a gente e muitos a ainda moram lá dentro.
Embora tivéssemos muitas vitórias, todas essas lutas atrasaram o desenvolvimento motor dele e hoje o Erick, embora não tenha nenhuma deficiência física, não vê necessidade em caminhar.
Embora acho que todo pai não deve impor limites no desenvolvimento do seu filho, sou contra inclusão social.
Acho toda instituição especializada, particular ou do estado, deveria ter um espaço dentro de uma escola normal. Então seria muito mais fácil de fazer uma integração.
Mas isso é um assunto para debate…
Hoje somos uma família muito unida, embora humildes. O orçamento apertado nunca nos impediu de sermos felizes, pois a saúde é nosso bem mais precioso.
E o gordo é o pivô dessas nossa felicidade, se ele está bem, nós também estamos. A vida gira em torno de uma criança especial, não tem como não ser dessa forma, enquanto vivermos teremos encaixar nossos projetos e ações dentro da agenda deles.
E tudo isso será muito mais fácil quando entregarmos essa agenda aos cuidados de Deus e ele mesmo vai abrindo as portas, revitalizando as nossas energias e nos dando descanso.
Por que vai ter dias que inevitavelmente estaremos muito cansados e acreditem, já vi muitas crianças especiais nos hospitais que os pais desistiram…..
Que Deus esteja sempre presente na vida de cada um, dando forças e refrigério. Em Cristo Jesus e respeitando a fé de cada um, somos mais que vencedores. Abraço!

-------------------------------------------------------------------------

Mais uma vez te agradeço Luciano, desejo a você e sua família tudo de melhor!!
Obrigada Imoni por sempre lembrar de mim, você se tornou uma amiga muito especial!!
E quem quiser contar sua historia aqui é só me enviar para o e-mail maeparatodavida@hotmail.com.
Beijos nossos!!

Comentários
6 Comentários

6 comentários:

Mamãe Roberta Soares disse...

Nossa que história. Me emocionei! Parabéns pelas vitórias e muita saúde pro Erick. Bjs
http://matheusmeucoracao.blogspot.com.br/

Pr Silvano Braucks disse...

Ainda quero dedicar mais tempo para comentar como vejo o Luciano e a Michele. Sou irmão dele, mas moro a uma certa distância, o que me impede de estar mais perto. Admiro demais essa família. Admiro muito o Rafael, irmãozinho menor do Erick pelo carinho que ele tem com o mano. Tenho certeza que aprendeu com o papai e a mamãe. Abraço a essa família especial e meu agradecimento ao dono desse blog. Que esse testemunho venha a fortalecer e animar muitas familias! Que o Senhor Jesus seja honrado!

Minha Filha Minha Vida disse...

MEU DEUS DO CÉU !!!! comecei a ler o relato e parei varias vezes (estou no serviço) mas eu queria muito ver cada linha, cada vitória ....

um abraço bem apertado a todos vocês !!!!

luciano braucks disse...

Foi a primeira vez que escrevi esta história, chorei muito em reviver todos os nossos passos. Mas o mais interessante é que isso me fez um bem muito grande, parece que era oque faltava,para que todas as cicatrizes interiores do meu coração fossem curadas.
...acho que é isso mesmo, quando atribuímos toda a honra e glória a jesus, ele faz serviço completo.
Abraços!!

luciano braucks disse...

..e você é uma das pessoas que mesmo de longe,tua participação foi muito presente em nossa vida.
Nunca vou esquecer daquela noite que eu estava com o Erick na UTI na zona Sul e respondendo a um processo no Fórum, na zona Norte.
Liguei pra você desesperado e ao orar por mim no telefone, senti a presença do espírito santo me dando refrigério e descanso. Obrigado por tudo!

luciano braucks disse...

Muito obrigado pelo carinho e atenção que deste a nossa história. Estamos muito gratos pela oportunidade de dividir este milagre com nossos novos amigos. Abraço!!