3

Reflexões Sobre a Relação Mãe-Filho


O velho ditado “tal pai, tal filho” precisa ser corrigido. Mais apropriado é “como mãe, como filho.” A ligação mãe-filho determina, em grande medida, não só o que os filhos pensam sobre si mesmos, mas também o que eles pensam sobre as mulheres em geral.

Na verdade, as mulheres sábias sempre souberam que a melhor forma de determinar a qualidade de um homem é o de avaliar a sua relação com sua mãe.

Não há nada de novo nisso. Ficou conhecido por séculos que mães e filhos compartilham um vínculo especial. Isso não significa, de forma alguma, que as mães amam seus filhos mais do que as suas filhas. Mas a ligação mãe-filho parece estar amarrada por um apego maternal que não é duplicado em nenhum outro lugar.
A relação mãe-filho forte começa com consistência, paciência e proximidade emocional, que são importantes para todos os bebês, e o processo é o mesmo para meninos e meninas.

Esteja ciente de as mensagens culturais ou as famílias irão pressioná-la a afastar-se de seu filho quando ele for muito jovem. Aceite o fato de que os meninos têm um estilo de comunicação diferente. Respeite a necessidade do seu filho em ter espaço emocional.

O primeiro sorriso que um bebê vê, a primeira voz que ele reconhece, é o de sua mãe. Quando ele cresce, sua mãe e seus relacionamentos com os homens – marido, namorado, pai, irmão e amigos – são os primeiros exemplos e mais convincentes de como um homem interage, ou devem interagir, com uma mulher.

As mães são a primeira e a mais consistente expressão do que uma mulher realmente é. Na visão de um garoto o mundo é representado pelo que a mãe tem lhe demonstrado.

De acordo com especialistas em famílias, um estudo científico recente que conduziram indica que mães muito ligadas ao filho podem afetar o desenvolvimento do menino.

Não tanto o seu desenvolvimento psicossexual, mas a formação de identidades pessoais, profissionais e educacionais do filho, em virtude da complexidade de identidades que existem.

Alguns terapeutas familiares dizem que muitos dos problemas que as mulheres têm com os homens podem ser atribuídos à forma como os homens foram criados por suas mães.

Considerando o grande número daqueles que são nascidos fora do casamento para as mulheres pobres, sem instrução e muitas vezes muito jovens, é fácil culpar os males sociais, como educação pública e o elevado índice de drogas nos bairros da periferia.

No entanto, muitos fatores ambientais negativos poderiam ser neutralizados por mães e pais, em geral, tomando medidas para direcionar seus filhos (e filhas) em uma direção mais positiva.
Os conselheiros familiares apontam que os filhos são afetados pelas relações da mãe com os homens e os modelos masculinos envolvidos na vida dele. Eles enfatizam que, se o marido não estiver presente na casa, um esforço deve ser feito para outros homens membros da família – avós, tios, primos estejam presentes na educação do filho.

Os Interesses românticos da mãe também influenciam a forma como um filho, eventualmente, irá interagir com as mulheres. Um filho pode sentir que o que a mãe diz sobre os homens, está dizendo sobre ele. As mães que constantemente idolatram, ou ao contrário os colocam para baixo estão enviando mensagens e imagens erradas do menino sobre si mesmo.

No entanto, algumas mães dão tanta proteção à criança que ela se torna dependente. Ironicamente, essa dependência afeta negativamente o desenvolvimento do filho. Quando adultos, às vezes, eles fogem da responsabilidade porque acham ruim ser responsável, quando cometem erros, pois sua mãe sempre os desculpou.

Esta dependência é transportada nas relações do filho com outras mulheres. Idealmente a mãe deveria ajudar os seus filhos a crescerem e saírem de casa por conta própria, de modo que eles possam cuidar de si mesmos.

No entanto, frequentemente, os homens continuam dependentes de suas mães, e as mães permitem que isso aconteça. As mães não cortam o cordão. Elas se tornam indispensáveis para seus filhos. Alguns homens acreditam que só as mães podem fazer tudo da maneira certa. E isso com certeza não contribui para seu desenvolvimento emocional.

Desconheço a autoria.
Comentários
3 Comentários

3 comentários:

♥ Nanda ♥ disse...

gostei muito da postagem
tai ai pensando assim
a super proteção prejudica
e muito nosso filhos

linda tarde bjs

http://sermamaepelasegundavez.blogspot.com.br/

Isabelle Nascimento disse...

Adorei o post, fico me policiando pra que isso não aconteça.
NÓS mães achamos que sabemos mais... Porém nada sabemos! ;)

Retribuindo a visitinha... Seu blog é encatador.
Beijos!!!

http://coisasdigiovanna.blogspot.com.br/

Karina disse...

Muito legal, saudades de vir aqui, está lindo o blog!!!