18

Teste da Violência Obstétrica - Dia Internacional da Mulher - Blogagem Coletiva




Hoje lendo alguns blogs que sigo me deparei com esta blogagem coletiva sobre violencia obstetrica, me interessei em participar na hora! Aqui no Brasil a realidade é triste nesse aspecto, e pouco se fala sobre o assunto, o objetivo dessa blogagem coletiva é uma ação em defesa do respeito às mulheres e da melhoria da qualidade da assistência ao parto no Brasil. Mas é preciso a participação de todas nós. Quem tem um blog e se interessar em participar da blogagem pode ter mais detalhes no blog Cientista que virou mãe. E vocês que querem participar e não tem blog pode ajudar a mudar essa realidade respondendo a este questionário, é rápido e fácil.



Um levantamento informal que tem como objetivo levantar dados sobre o tema, mobilizar as pessoas, problematizar a questão e levar esses resultados a uma instância que ajude a incluir, nos serviços oficiais de denúncia, a violência obstétrica como forma de violência contra a mulher.
Para participar, é simples. É só preencher o questionário que vai abaixo e, ao final, clicar em SUBMIT. Não é necessária a identificação. Conto com vocês!

Caso não consiga visualizá-lo adequadamente, acesse-o por aqui.



A Emilly nasceu em um hospital particular, porque morria de medo de como seria meu parto no SUS, gastei todas minhas economias nas consultas exames e no parto, e saiu tudo caríssimo, passamos o maior aperto no primeiro mês de vida dela, pra piorar nossa situação ela internou com 7 dias pra fazer fototerapia e ficamos sem nenhum dinheiro, tudo poderia ter sido diferente se a saúde publica cuidasse melhor das gestantes e dos bebes recém nascidos. Os noticiários me deixavam em pânico! Mas no hospital particular não foi como eu esperava, meu marido nem pode me acompanhar na sala de parto, ficamos tristes com isso, queriam cobrar algo que é proibido por lei, a Emilly nasceu de 37 semanas, confiei no meu medico que marcou uma cesária disse que era o melhor no meu caso, marcou meio de urgência, não me arrependo a Emilly nasceu muito saudável, mas só a levaram pra ficar comigo 4 horas depois do parto e deram glicose pra ela, justo o que eu não queria que acontecesse e ainda colocaram no cartão de vacina que ela mamou em mim na primeira hora de vida. Não tenho nada que reclamar do meu obstetra mas do hospital e de algumas enfermeiras tenho uma lista enorme. 
Comentários
18 Comentários

18 comentários:

Futura mãmã disse...

Bons resultados nesse teste para todas voces
bj

Aline Patrícia disse...

Espero que todas participem!!

cintia disse...

Aline respondi tudo de acordo com o nascimento do meu primeiro filho, pois só tinha 18 anos, lógico que com o amadurecimento os outros três partos foram bem diferentes, também tem um pouco a ver como você se comporta, mas infelizmente o SUS judia demais das gravidinhas, são grosseiros, graças a Deus só usei este serviço em um parto,(até tinha o convênio, mas o hospital era bem longe, mas mesmo assim deveria ter tentado, mas foi muito rápido que ele nasceu, acho que nem teria tempo) e foi lindo por um lado pois eles não se importam que você fique com o bb o máximo de tempo, mas não tinha estrutura nenhuma, o Arthur tomou banho comigo 30 minutos após o parto, foi um momento mágico, tomamos banho em baixo do chuveiro, meu marido até fotografou, mas isso aí vai muito de cabeça boa, sabe? não pode ter medo, tem que se entregar e ser feliz, mas achei MARAVILHOSA a campanha, tomara que tenha ótimos resultados, beijos e feliz dia das mulheres! um cheirinho para Mimi

Aline Patrícia disse...

A Emilly nasceu em um hospital particular, porque morria de medo de como seria meu parto no SUS, gastei todas minhas economias nas consultas exames e no parto, e saiu tudo caríssimo, passamos o maior aperto no primeiro mês dela, pra piorar nossa situação ela internou com 7 dias e ficamos sem nenhum dinheiro, tudo poderia ter sido diferente se a saúde publica cuidasse melhor das gestantes e dos bebes recém nascidos. Os noticiários me deixavam em panico! Mas no hospital particular não foi como eu esperava, meu marido nem pode me acompanhar na sala de parto, ficamos tristes com isso, queriam cobrar algo que é proibido por lei, a Emilly nasceu de 37 semanas, confiei no meu medico que marcou uma cesária disse que era o melhor no meu caso,marcou meio de urgência, não me arrependo a Emilly nasceu muito saudável, só que levaram ela pra ficar comigo 4 horas depois e deram glicose pra ela, justo oque eu não queria que acontecesse, fiquei até com uma invejinha branca de vc ficar juntinho com seu bebê, tomar banho 30 minutos depois que delicia!! Bjos!!
Ps: vou até acrescentar parte desse comentário no post rsrs!

Cristiane disse...

O Bruno nasceu num hospital particular mas aqui tem um hospital escola e um hospital municipal que ninguém reclama, muito bom. Meu sobrinho nasceu lá e nada a reclamar. Mas se eu tivesse plano e tivesse alguma dúvida quanto ao atendimento eu faria como você. cris

Aline Patrícia disse...

Aqui tem um hospital do Sus mas nem pré natal consegui fazer lá!
Fiquei 2 vezes seguidas, umas três horas esperando pra me remarcarem pra outro dia, com uma barriga enorme de oito meses, o atendimento é péssimo e as historias de parto que contam horríveis...

Josiane Caetano disse...

Oi Aline! Bom vc estar por aqui de volta!
Sobre violência no parto, eu só lembro da história da minha mãe ( que já contei para a filhota num dos textos): O meu irmão nasceu de parto normal, mas ele estava em pé no útero dela! Não tinha nenhum médico especialista de plantão, era noite de ano novo...consequência: meu irmão até hj tem um defeitinho pequeno na perna, pois o parto foi bastante violento e ele não conseguiu trabalhar de guarda municipal por este motivo.E minha mãe tem traumas deste parto até hoje.
Só de imaginar o que ela passou, fico arrasada!

Aline Patrícia disse...

Que desrespeito com ela e com seu irmão, e a mulher fica marcada pra sempre, e no caso do seu irmão ele também ficou, até mesmo fisicamente, e ainda sofre as consequências!
Que mulher forte sua mãe, deve ter sofrido muito, um especialista teria feito toda a diferença, era direito dela, imagino como ela deve ter se sentido...
Não gosto nem de pensar!

Andrea Fregnani disse...

Alice nasceu de 38 semanas e 2 dias, a médica me levou a fazer cesárea, hoje eu acredito que eu tinha total condição de tentar um parto vaginal, mas na hora eu e o marido ficamos com medo, pois a médica falava que eu não tinha condições, mas nem esperou eu entrar em trabalho de parto e marcou a cesárea, ainda hoje me chateia lembrar disso,
bjs

Aline Patrícia disse...

Desde o sexto mês já tinham me dito que não daria parto normal, como saber aos 6 meses? Juntando isso ao medo do parto normal, insegurança, e falta de instrução, achei que realmente a cesária seria melhor! Nunca vou saber se daria pra ter um parto normal.
Bjos!!

cintia disse...

Ah esqueci de comentar uma coisa, acho o trabalho de Doula muito lindo, até pesquisei, fiquei interessada em me engajar neste ramo, mas infelizmente hoje ainda não posso, pois ele implica em mudanças radicais de rotina, ainda tenho bebês e não posso me ausentar, mas é um lindo trabalho, seria legal ser remunerada pois ninguém está nesta vida a passeio, mas ser voluntária também pelo SUS seria um sonho, mas existe uma burocracia...como tudo né? até para ajudar o povo complica, né? rsrsrs, beijos e assim que Mimi crescer um tiquinho tenta um menininho, eles são muito dóceis e amorosos, viu e se quiser fazer cupcakes vai ser moleza, me passa seu email que depois dou mais umas diquinhas para você....beijinhos, e também um aperto na Mimi!

Andy Santana disse...

ótimo post,
utilidade pública.
beijos

Rafaela disse...

Não tenho nenhuma reclamação dos meus dois partos. Apenas algumas sugestões, talvez.
Na primeira eu ganhei bb na hora do almoço, a Isa tbm demorou para chegar no quarto e só tomei banho no dia seguinte, recebendo todas as visitas suja de sangue, affe.
Na segunda decidi que pelo menos banho eu tomaria a noite e tanto que insisti eu fui com a enfermeira, mas desmaiei no banheiro por conta da anestesia e hoje entendo o porque eu de não terem me dado banho no mesmo dia, mas não me arrependo de ter insistido, pois dormi limpinha e feliz, rs.

Futura mãmã disse...

Tem desafio aqui para si :

http://miriamnunes.blogspot.com/2012/03/desafio-para-nos-e-vos.html

beijo

Aline Patrícia disse...

Também acho muito importante a Doula, li muito sobre parto humanizado quando estava gravida, mas aqui onde moro, interior do interior rsrs, as pessoas nem sabem o que é isso, não tem doulas por aqui não. Mas vi uma reportagem no profissão repórter mostrando Doulas no quadro fixo de funcionários de um hospital do SUS, meu sonho!! Vamos tentar um garotinho sim rsrs, vou deixar meu Email lá no seu blog, pegar umas dicas pro niver da Mimi rsrs!!
Bjos!!

Aline Patrícia disse...

Obrigada Andy!
Bjo!

Aline Patrícia disse...

Vc acredita que tomei banho sozinha, mas foi de madrugada, não tive essa famosa tontura ou queda de pressão. Mas eu acho que não conseguiria levantar antes, até porque tinha medo de doer rsrs, mas não senti nada!

Aline Patrícia disse...

Vou lá pegar!!
Beijo!